Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006

Meias-verdades e omissões estratégicas

Num dia que já lá vai, mas a memória não apagou.

 

Era véspera de feriado. Podiamos dormir até mais tarde, por isso ficamos a deambular de bar em bar sem horas marcadas para regressar a casa. Ja a madrugada ia longa quando fizemos o caminho de volta, a rir que nem dois perdidos.

 

A noite tinha corrido na perfeição. Divertimo-nos imenso, apresentaste-me como a tua namorada e eu senti o orgulho na tua voz.

 

Bebemos em todos os bares onde entramos. Curiosamente não exageramos, como previamos antes da noite começar...

 

Regressamos a casa e fizemos amor apaixonadamente, sem pudores, com os sentimentos à flor da pele e a excitação no seu ponto máximo... disseste-me que tinha sido o teu melhor orgasmo... eu acreditei. Acreditei, como acredito em tudo o que o meu coração não me permite analisar racionalmente. Os sentimentos por vezes deixam o raciocinio dormente... mas afinal não são estas frases românticas que todas temos o direito a ouvir pelo menos uma vez na vida?

 

Já a manhã começava a mostrar os primeiros vislumbres de claridade quando, exaustos, decidimos que era chegado o momento de nos aconchegarmos um no outro e adormecer. Não sei quanto tempo terá passado, se ja dormíamos há muito ou mal tinhamos adormecido, quando sinto o teu braço a aconchegar-me a ti e uma voz rouca que me sussurou um estranho "Sandra, eu amo-te". Passados dois segundos em que a perplexidão me deixou sem reacção, questionei "O quê?", julgando ter compreendido mal... bastante mal. A repetição não se fez esperar... "Sandra, eu amo-te"... novamente! Eu sei, estavas a dormir... Era desnecessário acordar-te para te perguntar de quem falavas. Sabia perfeitamente tratar-se de alguém que ocupou a tua vida, o teu coração e o teu pensamento durante muitos anos... alguém a quem tinhas amado e devotado toda a tua atenção. Longe de mim querer competir com um passado que eu julgava ser isso mesmo... talvez não fosse...

 

Ali estava eu deitada ao teu lado, olhos muito abertos e um nó apertado na garganta, que quase me sufocava de dor, a pensar no quão enganada estava quando julguei ser alguém especial na tua vida. Pensei em tudo o que tinha acontecido entre nós... e os pensamentos e sentimentos ocorriam a uma velocidade vertiginosa. Tinha de sair dali e reflectir, criar novamente a minha muralha protectora... aquela que fui deixando tu derrubares aos poucos. "Para quê?", questionei-me.

 

Lentamente, sai da cama. Acordas e perguntas onde vou. Limito-me a responder, no tom mais natural que consigo, um simples "já volto". Fui para a sala e sentei-me no sofa, tentando ponderar o mais friamente possível tudo o que tinha acontecido desde o início até àquele momento. Sinceramente nada fez sentido. Tudo o que tinhamos passado juntos, as intermináveis conversas, os momentos só nossos... e aquele momento pareceu-me tão desenquadrado da realidade. Também eu tive um passado de longos anos com alguém a quem amei com todo o meu coração... e nem mesmo assim te tratei por outro nome. Ali estava eu no dilema de não saber se seria melhor deixar passar, dando a nenhuma importância que o momento me parecia merecer, ou confrontar-te e ver a tua reacção. Independentemente da opção que tomasse, achei que te devia dar espaço para resolver e atar pequenas pontas do teu passado, que me parecia terem ficado soltas. Eu continuaria a ser tua amiga. Sim, disso eu não abdicaria nem abdicarei nunca! A nossa amizade é bastante especial para se deitar assim a perder!

 

Passados alguns momentos vens ter comigo e perguntas o que tenho. Após vários minutos de evasivas, em que mantenho a calma a muito custo, ponho-te a par da decisão que tomei durante a minha reflexão... "Vou embora hoje. Sinto que tens coisas do teu passado ainda por resolver e não me parece que a minha presença aqui te facilite as coisas. Tens todo o tempo para o fazer e depois poderás vir ter novamente comigo, se achares que é comigo que queres estar... Outra coisa: não voltes a dizer, por nada deste mundo, que me amas... ah... e o meu nome é DANNI!!!

 

Foi a tua vez de falar. Ouvi-te com toda a atenção com que sempre o fiz. Senti que não me querias perder e que talvez eu fosse mesmo importante para ti e, no fundo, tudo não tenha passado de um mal-entendido... afinal, reminiscências do passado podem acontecer a todos, sem que isso signifique que ele continua presente...

 

...Ou então a voz do coração teimou em falar mais alto e voltou a não me deixar escutar as sábias palavras da razão...

 

Que fariam vocês no meu lugar?

Danni

tags:
publicado por Danni às 22:54
link do post | Vá, diz qualquer coisinha! | favorito
10 comentários:
De Danni a 21 de Novembro de 2006 às 16:24
XANUSCA: Tens razão. Por vezes queremos tanto acreditar numa coisa, que nos agarramos a detalhes ínfimos que só nos ocultam a verdade. O peso da distância, quer temporal, quer espacial, ajudou-me a reforçar a ideia de que tudo não passou de uma infeliz reminiscência... que me magoou bastante, é certo, mas que ele tem feito tudo para me demosnstrar que nada tem de real. Agora só o tempo ajudará a atenuar ou erradicar esta história... Jinhos
De Xanusca a 20 de Novembro de 2006 às 12:21
Posso dizer-te 2 coisas bem diferentes:
1- Se gostas dele acredita no que te diz e vive essa paixão ao máximo
ou
2- Quando estás lúcida, longe dele, dá ouvidos à razão... ao que pensas que poderá estar a passar-se relamente. Às vezes queremos tanto uma coisa que estamos sempre à espera de um sinal que nos faça continuar a acreditar e ignorar todos os outros que dizem o contrário...
De Danni a 14 de Novembro de 2006 às 23:50
P/ CRISSY: Miga, nem imaginas as vezes que ja troxe tao infame história à baila. Tas a ver eu e o Picas? Tratamo-nos por sandra por dá cá aquela palha... Levar na brincadeira ajudou. No fundo nao me pretendo chatear mais com isto. À fava com a tretas q os gajos nos inventam so para nos calar! Faço-me de sonsa e pronto... Quanto ao resto... estamos em análise! Jinhos miga... saudades!
De Danni a 14 de Novembro de 2006 às 23:45
P/ KARLYTUS: Migo, já passei um pano nesse assunto. Sei que tambem podia ter acontecido a mim... mas o caso é q nao aconteceu - e ja por diversas vezes tive o impulso para lhe chamar o nome que bem sabes... mas nao o fiz... quanto mais completar a frase dizendo "eu amo-te"... mas pronto, ja passou (digo eu, com os nervos). No fundo há coisas piores de digerir e sinceramente neste momento tenho mais em que pensar (refiro-me à faculdade, tal como te contei na seca q te fiz passar hoje... lol) jinhos doces migo!
De crissy a 2 de Novembro de 2006 às 12:44
Irra amiga... isso deve ser um 11 de Setembro na vida de uma mulher... acho que a seguir podiam dizer-me mundos e fundos que aquela "Sandra" ficaria sempre aqui a flutuar.. até um "anda" já me pareceria "sandra"... mas eu sou muito desconfiada e não sou exemplo para ninguém - de uma coisa tenho certeza - o karlitus tem razão - faz o que realmente achas melhor para ti. Eu já mandei tudo "à fava" e chamaram-me maluca - lutei contra todos e mostrei estar certa. Cada um sabe de si e Deus sabe (ou devia saber) de todos! Beijos maluca! Que saudadesssssssssssss.Crissy
De karlytus a 30 de Outubro de 2006 às 20:02
Pois amiga.. imagino o que sentiste.. (sim tenho mta imaginação..) deve ter sido como cair do tapete voador..
Felizmente nuca me aconteceu uma dessas, mas talvez tenha sido pelo facto de dormir demasiado profundamente.. se uma trovoada nao me acorda imagina ela a chamar-me Sanda.. ups.. Sandro.. lol
Agora mais a sério.. cada um reage de maneira diferente e ninguém sabe ao certo o que faria pois só quando nos vemos nelas é sabemos.. ou nem aí..
O conselho que te dou como teu amigo é fazeres o que realmente achas ser o melhor pra ti... sei que és inteligente e perspicaz e saberás com certeza se ele te ama.. não é por dizer o nome da outra a dormir que o amor que sente por ti perde valor.. pensa que poderia acontecer ao contrário..
Espero que consigas passar um pano nesse episódio e que sejas muito feliz e que ele te porpocione muitos e muitos orgasmos.. ups.. momentos lindos.. hehe

Tudo de bom pra ti migonaaaaa!!

Beijoka azulinha
De Danni a 29 de Outubro de 2006 às 15:40
P/ YURI: Foi o que fiz... mas mudar de nome para Sandra está fora de questão! Completamente! eheheh ;-) Boas latas para ti tb... pode ser que lá nos encontremos... sem saber! ;-)
De Yuri a 28 de Outubro de 2006 às 23:22
Tu gostas dele, ele gosta de ti...
Continua pra frente gaja e podes sempre nmudar d nome para Sandra ;)
Boas Latas:)
De Danni a 24 de Outubro de 2006 às 13:57
P/ FLOR: Concordo plenamente. No calor do momento tanta coisa parece fazer sentido... pura magia. Nem questionamos se as coisas maravilhosas q nos sao ditas serao ou nao verdade... Ser "distraida" tem-me ajudado a nao fazer papel de otária. Jinhos
De 265963 a 24 de Outubro de 2006 às 00:23
o danni ... na cama vale tudo e o que se diz lá não conta usa esta máxima e pensa não devmos ouvir tudo...
por vezes ser burra ou melhor distraida ajuda tanto.
que me disses ?
beijo flor

Vá, diz qualquer coisinha!

:.Queres falar com a gaja?

danni_mrls@hotmail.com

:.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

:.Afinal quem é a gaja?

:.Últimos devaneios

:. Último episódio

:. Just think about it!

:. Portugal 3 - Hungria 0

:. Um abracinho

:. A euromilhas de distância

:. Dia de S. Nunca

:. A pedido de...

:. O fiel jardineiro

:. Pau que nasce torto...

:. There's no need to argue....

:.Já lá vai o tempo

:.tags

:. todas as tags

:.Outros vôos por onde me perco

:.Rapidinhas


:.De que andas à procura?