Sábado, 8 de Outubro de 2005

Quero fechar esta porta... de vez!

Hoje é o meu último dia com 27 anos.

Fazendo uma retrospectiva do que foi a minha vida neste ano que hoje termina, apercebo-me de que fiz erro atrás de erro. Sinceramente, não me consigo lembrar de nada de que me possa orgulhar. Sempre pensei que com 27 anos já estaria casada, teria uma casa, um ou dois filhos e um emprego estável. Muito pelo contrário... Solteira e descomprometida (leia-se: encalhada... mas com muito estilo!), a morar em casa da mamã e do papá, sem filhos e desempregada há tempo demais! Cada tiro, cada melro!

Passei por momentos bastante difíceis a nível emocional. No fundo, foi a necessidade de desabafar que motivou a criação deste blog. Neste momento ainda não está tudo resolvido, nem me sinto ainda como gostaria comigo mesma... mas já é o suficiente para seguir com a minha vida para a frente e de cabeça bem erguida.

Errei tanto, sobretudo a nível sentimental...
Terminei um namoro de quase 10 anos, mas que já tinha deixado de ser o que ambos desejávamos. Ambos tínhamos já atingido o limite de saturação e o final da relação era mais do que previsível. Quase nem estivemos juntos no nosso último mês e meio de namoro. Foi apenas um adiar do desfecho esperado, já que nenhum de nós fez o que quer que fosse para contrariar o caminho que estávamos a seguir. Talvez já fosse tarde demais...

O final desta história cruza-se quase imediatamente com outra. Aliás, foi o facto de um “amigo” recente me ter confessado o que sentia por mim, que fez girar toda a engrenagem que se seguiu. Embora fosse uma amizade relativamente recente (6 meses), havia muito em comum a nível de personalidade (só a nível de personalidade, porque a nível de valores... é melhor nem comentar!). Por não ser a primeira pessoa com quem tinha este tipo de empatia, não houve confusões da minha parte. Da parte dele foi diferente... por ser a primeira amizade com este tipo de empatia, confundiu tudo! Fez o erro crasso de me dizer o que sentia... e fez a asneirada ainda maior de contar à pessoa com quem já namorava há 12 anos e com quem vivia há 7... Mais lhe valia ter ficado caladinho e clarificar os sentimentos sozinho e só depois tomar uma opção! É evidente que o facto de ter contado à namorada trouxe uma série de dissabores. Eu, por ser a única pessoa que estava por dentro dos pormenores, passei a ser a confidente de todos os problemas que ele começou a ter em casa. A menina não regula bem e fez cada cena mas estúpida do que a anterior!

Por uma questão de bom senso, limitei-me a ser apenas uma boa ouvinte. Não me competia a mim emitir juízos de valor sobre uma relação degradada e decadente, de modo que não fazia qualquer tipo de comentário sobre o que me era contado. Mesmo quando esse meu suposto amigo me dizia gostar de mim, eu não emitia qualquer tipo de resposta. Nem sim, nem não. Apenas silêncio. Só numa fase final, estando já eu farta das atitudes infantis e ridículas da parva da donzela rejeitada (até porque também me começaram a prejudicar a mim), é que comecei a dizer de minha justiça... e não era nada meiga no que dizia! O que é de mais, chateia... e ela já me estava a tirar do sério!

Concluindo... duas relações cansadas tinham chegado ao fim. No meio de tanta carência afectiva, confundiu-se o que em situação normal não passaria de uma simples amizade...

Foi o início de todo o pesadelo... já lá vai um ano.
Jamais aquilo foi um namoro. Se tiver mesmo de atribuir um rótulo a tão grande argolada, chamar-lhe-ia amizade colorida... SÓ!!! Foi o maior erro de toda a minha existência! Definitivamente a pessoa errada e a maior cabeçada que alguma vez dei! Jamais deveria ter sido confidente desse meu suposto amigo! Só me trouxe problemas! Difamações, más-línguas, boatos sem fundamento... por parte de TODA a família dele e da “santa” da ex-namorada. Foram pessoas tão reles, que fizeram questão de espalhar o mais rápido possível o que era, o que não era e o que lhes parecia que era.

Foram meses horríveis, numa aldeia de gente com mentalidade tacanha e atrasada para quem não importa a veracidade do que ouve. Quanto mais escabroso, mais interessante... Hipócritas!!! Eu, por ser mulher, pago a factura a dobrar e da fama já ninguém me livra! Continuo a ser a fulana que andou com dois ao mesmo tempo, que chifrou o namorado de tantos anos, que foi a responsável pelo fim de três casamentos (ainda estou à espera de saber de quem, pois sempre é de bom tom pedir desculpas...), que engravidou desse outro com que posteriormente se envolveu (também há a variante da história em que engravidei do meu ex-namorado, mas já o tinha trocado por esse outro)... A título de curiosidade, se as contas não me falharam, a criança nasceu em Setembro... eu nem dei por nada (se alguém a vir por ai, é favor informar!)... Enfim, um rol de merdas, cada uma com mais pano para mangas do que a anterior. Este último boato é deveras interessante, se tivermos em linha de conta que duas semanas antes se tinha espalhado por toda a freguesia que eu não podia ter filhos, devido a um acidente que sofri há alguns anos... eu só posso ser um milagre da natureza!

Esquecem-se todos os Filhos de Puta que falaram de mim, que durante os anos em que namorei como o meu namorado de sempre nunca houve mais ninguém na minha vida e só a ele amei e nunca houve nada a apontar-me, excepto o meu péssimo feitio... Mas disso só o meu ex-namorado me poderia acusar com conhecimento de causa!

Mesmo com todos os boatos escabrosos e com pessoas a olhar-me de lado ou a olhar para a minha barriga, não deixei de fazer a minha rotina diária, nem de ir aos sítios que costumava frequentar ou estar com quem quer que fosse. Isso seria dar razão a quem não a tinha e eu nunca alinhei no joguinho de gente sem cérebro! Acham que isso serviu para calar as línguas viperinas e nojentas? Claro que não!

Passados longos meses, em que o apoio da minha família e dos meus amigos (poucos, mas bons!) foi fundamental, parece que finalmente assentou toda a poeira que se levantou à minha volta. Mas o efeito devastador de tanto stress psicológico não desaparece de um dia para o outro. Continuei a deixar-me abater com boquinhas ridículas que pudessem surgir do exterior. Continuei a dar importância à imagem que transmitia... logo eu, que sempre me estive bem a cagar para o que pudessem pensar a meu respeito!

Com tudo isto, chegamos ao meu mais recente erro: afastar uma pessoa especial que cruzou a minha vida. Ponderei demasiado e hesitei ainda mais. Neste momento parecem-me tão ridículas as minhas atitudes... Ninguém à minha volta consegue entender o porquê de querer afastar alguém de quem gostava. Nem eu entendo bem. Pareceu-me coerente naquela altura... De qualquer das formas, já é demasiado tarde para o que quer que seja, quanto mais para tentar arranjar explicações plausíveis, que me convençam de que foi tudo por uma razão de importância maior. Com as minhas atitudes deixei portas abertas e o lugar que um dia ocupei naquele coração já não me pertence... se é que algum dia o ocupei por inteiro. Por motivos óbvios que não interessa agora explicar, não consigo, nem quero, sentir rancor ou qualquer outro sentimento negativo pela pessoa que hoje ocupa o lugar que um dia foi meu. Afinal de contas, eu também facilitei!

O destino tem destas coisas e prega-nos cada partida... Talvez tivesse mesmo de ser assim....

Outra pessoa especial irá cruzar o meu caminho... eu sei disso... quero convencer-me disso... dói menos cá dentro se pensar assim... e, acima de tudo quero acreditar que farei tudo de forma diferente. Que serei eu mesma, darei o máximo de mim e serei feliz. Quero acreditar que a minha grande história de amor ainda vai acontecer. Que ainda não é tarde...

Definitivamente, fiz erro atrás de erro... mas espero ter aprendido a lição. A vida é só uma. Para quê estar sempre a ponderar e hesitar? Vou-me atirar de cabeça mais vezes! Ninguém é perfeito e o mundo cor-de-rosa não existe. As relações perfeitas muito menos! Por muito que eu quisesse uma relação dessas. Por muito que eu quisesse desesperadamente encontrar a pessoa certa e ser feliz. Mas isso todos nós queremos, não é? Infelizmente nem todos o conseguimos. Nem sempre prestamos atenção aos sinais que temos à nossa frente e deixamos o amor passar na nossa vida sem acontecer...

Por isso, ainda bem que vou sair desta terrinha que nada de novo me traz, num meio onde todos criticam a todos. Vou mudar de ares, conhecer pessoas, entrar em novos círculos, conhecer outras formas de pensar, tirar o curso que sempre quis e alargar os meus horizontes...

Que este novo ano de vida seja um ano de viragem... para muito melhor!

FLY BUTTERFLY!!!
Danni
publicado por Danni às 22:37
link do post | Vá, diz qualquer coisinha! | favorito
15 comentários:
De Heavenlight a 27 de Abril de 2006 às 14:12
Bem... este post fez-me lembrar de mim... arrepiante...
Pontos em comum:
1. Namoro longo (6 anos)
2. ... q acabou em circunstâncias mt estranhas...
3. Difamação, com direito a gravidez inventada várias vezes, umas vezes com aborto feito outras com a criança a nascer (pelas minhas contas tenho uma carrada de filhos que nunca vi e sou uma assassina nata) - por acaso depois houve mesmo uma gravidez, da qual resultou o meu Dani lindo
4. Pressão sob pressão and so on
5. Segundo a opinião alheia, sou uma devoradora e destruidora de homens - tadinhos...
Enfim...
E sabes que mais??? Tou-me a ... para o que possam dizer. Se são felizes assim...também fico feliz por contribuir para o bem estar alheio. Só é chato aqueles comentários do tipo: "nem conseguiu acabar o curso, pobrezinha", quando o curso já lá vai e o mestrado qualquer dia também já está terminado, ou "pois, ninguém a quer", quando daqui a 3 semanas me caso com um homem maravilhoso.
Eu sou como sou. Diferente? Porquê? Só porque faço o que sinto e não estou para recalcar emoções? Danço à chuva se quiser, dou cabeçadas na parede se sentir vontade, mas sou Eu, e acredito que muitos dos que criticam e inventam estão tão preocupados a fazê-lo que nem sequer têm coragem para viver a sua própria vida.
Faz o mesmo. Sê Tu. Sempre. E sê Feliz.
De nuno a 16 de Outubro de 2005 às 06:23
deixo-te um poema meu...

Se um dia destes vieres e não me encontrares cá,
não julgues que me fui embora,
[não julgues que fugi.
Nem penses que já não volto
[nem penses que te esqueci.
Porque devo ter ido ver-te,
[ou ver se sei de ti.





Se um dia destes vieres e não me encontrares cá,
não chores, nem me sintas a falta, que eu devo estar a chegar.
Não lembres poemas antigos,
[nem rezes muito por mim,
Porque devo ter ido ver-te,
[ou ver se sei de ti.





Porque quando um destes dias, algo nos vier separar,
tu vais acordar vazia e vais sentir que eu já não estou.
Vais saber que eu já não sou.




Portanto,




Se um dia destes vieres e não me encontrares cá,
Espera um pouco e sorri.
Porque devo ter ido ver-te,
[ou ver se sei de ti.
De acaso a 15 de Outubro de 2005 às 21:27
Passei aqui por acaso....

A coragem........

O futuro é teu se mantiveres essa coragem aqui demonstrada..
O futuro é só teu..nunca o esqueças
De Zion a 14 de Outubro de 2005 às 15:42
Olá Danni, descubri o teu blog há pouco. Gostei muito e apesar de não te conhecer sinto muita pena ao ler esta tua mensagem. Faz favor de arrebitar pq pareces uma velhota a fazer um balanço da vida dela. Tu ainda só tens 28 anos e a vida toda pela frente e acredita, o melhor está para vir. Por isso esquece as más linguas, focaliza-te nas pessoas q te são queridas e aproveita tudo o q a vida tem de bom, coisas simples. Bom fim de semana
De Sam a 14 de Outubro de 2005 às 13:41
Um beijo para a Mulher mais bonita da Blogosfera!

Bom fim de semana !!

Abraço & Beijo Libertário !

Sam ;-)
De Elsita a 13 de Outubro de 2005 às 15:04
Não existe uma norma, a vida vai passando para cada um de forma diferente, e erros todos cometemos, apenas tu achas que os teus são terríveis, pois creio seguramente que não. Apenas gostaria de te recomendar: Não desistas NUNCA de ser feliz; e ser feliz é fazer o que nos dá prazer, sempre que se pode sem ressentimentos ou sentimentos de culpa. Linda: ânimo e muita força e coragem. A vida é bela
De Zuco DA TEQILLAMAN a 12 de Outubro de 2005 às 13:24
Ganda sorte Danni! SÒ tens 28 anos e nada te prende ao passado! É como fazer um reset a tudo e poder começar de novo, com o que se aprendeu a fazer e a não fazer.
De ni a 11 de Outubro de 2005 às 21:27
O k lá vai,lá vai.
Tu es uma mulher de forças e agora mais do k nunca tens de seguir em frente.(tens um curso para tirar)
Eu k conheço a história e k posso dizer,tb a vivi a par ctg,tb me pergunto como pode haver pessoas(é este o termo,para descrever tal "gentinha"?)bem pessoas capazes de tanta maldade,se olhassem para elas não falariam tanto,mas como o k vem de baixo não te deve atingir,ignora.
Quero k saibas k eu estou sempre aqui para o k precisares.SEMPRE.bj e força
De Sam a 10 de Outubro de 2005 às 23:32
El beso te invade el rostro/
Y tu frescura de labio y crin/
faena en el viento viento largo./
Las bocas se humedecen quedamente/
y el tiempo se ha mecido entre tus sienes./
El beso se hace a la mar/
y la barca se desboca./
El cuerpo se acuna y tiende/
y el sexo va entibiando/
en tu nidal de luna./
Trepa el beso tu cópula/
Y se inunda de lengua y ascua;/
Las bocas se rebuscan y se pierden/
ahogadas en el ansia y en el agua./

MANUEL FEDERICO PONCE

Está a precisar de um bom Beijo!

Beijo libertário!

Sam

De Yuri a 9 de Outubro de 2005 às 15:28
E a resposta é Informática, Engenharia Informática

Vá, diz qualquer coisinha!

:.Queres falar com a gaja?

danni_mrls@hotmail.com

:.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

:.Afinal quem é a gaja?

:.Últimos devaneios

:. Último episódio

:. Just think about it!

:. Portugal 3 - Hungria 0

:. Um abracinho

:. A euromilhas de distância

:. Dia de S. Nunca

:. A pedido de...

:. O fiel jardineiro

:. Pau que nasce torto...

:. There's no need to argue....

:.Já lá vai o tempo

:.tags

:. todas as tags

:.Outros vôos por onde me perco

:.Rapidinhas


:.De que andas à procura?