Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009

O fiel jardineiro

 

 

 

 

 

Apesar do título deste post ser uma clara alusão a um grande filme, não estou aqui para vos falar nele. O que me traz hoje ao meu e vosso ciber-tasco são as relações amorosas… o que falha, para ser mais precisa. Pois é, meus amigos, isto de manter uma relação é uma carga de trabalhos e dores de cabeça!
 
No início tudo são rosas (no sentido literal e figurado), mas isso depressa termina. Nós – e quando digo “nós”, é um geral demasiado geral, porque a mim caramelo nenhum mandou esta boca… e se a pensou, depressa tratou de calar a boquinha de onde só sai asneira, piropo de engate “à la trolha” e frases feitas nas quais já não caio – adiante! Estava eu a dizer que nós somos acusadas de dar um sem-fim de fodas nos primeiros meses e de começar a “cortar-nos” à medida que o tempo passa. Será que os otários do sexo oposto nunca pensaram que isto é um sinal de algo? Ao contrário deles, nós não conseguimos dar a trancada da praxe se o ambiente não for propício ou se algo não estiver tão bem como devia. Quando falo em falta de feeling, não me refiro apenas ao sexo mas sim a toda a intimidade e tudo o que lhe está inerente.
 
Misturado com conversas que me deram asco ler (aqui é favor colocar os tags “fezes do msn” e “wtf”), estava o seguinte discurso metafísico – passo a citar – “para mim, um relacionamento é como um jardim… tem de ser cuidado todos os dias, senão morre”. Bonitas palavras, sim senhor! Será que as acções são a condizer? É precisamente aqui que a coisa descamba, porque até quem apregoou isto até à exaustão deixa morrer uma relação! Como? Muito simples. Basta começar a tomar as coisas como garantidas, quando nada nesta vida o é, para começar a baixar a guarda, deixando que as ervas daninhas comecem a instalar-se. Claro que o desleixo sentimental não é exclusivo de quem apregoa a arte da jardinagem, mas convenhamos que nestes casos se nos afigura irónico o desleixo. No fundo, tudo isto não passa de um grave problema de memória (Alzheimer emocional?), com consequências mais ou menos previsíveis.
 
Esquecemos as necessidades do outro…
Esquecemos que falar nem sempre é sinónimo de comunicar…
Esquecemos que a paciência é uma virtude que também deve existir em nós…
Esquecemos o companheirismo e a cumplicidade…
Esquecemos que o egoísmo não é compatível com o amor…
Esquecemos que devemos dar uma carícia sem motivo algum e sem esperar algo em troca…
Esquecemos até que ponto precisamos desesperadamente daquele abraço apertado…
Esquecemos que valorizar o outro e fazê-lo sentir-se amado e desejado é fundamental…
 
 
E esquecendo os pequenos detalhes e tudo o que um dia nos juntou, abrimos portas à indiferença… e ao final.
 
 
 
Enquanto escrevia este post, estava na dúvida se haveria música que conseguisse transmitir o que eu tentei nestas breves palavras. Num insight lembrei-me desta, que vai mais além das relações amorosas e abarca as relações com todo os que nos são queridos… e a moral da história mantém-se a mesma: devemos dar o devido valor às pessoas que o merecem, antes que seja tarde demais e as palavras fiquem suspensas no vazio.
 
 

 

Hoy me siento: jardim a precisar de cuidados
música: Tal vez (Ricky Martin)
publicado por Danni às 16:51
link do post | Vá, diz qualquer coisinha! | favorito

:.Queres falar com a gaja?

danni_mrls@hotmail.com

:.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

:.Afinal quem é a gaja?

:.Últimos devaneios

:. Último episódio

:. Just think about it!

:. Portugal 3 - Hungria 0

:. Um abracinho

:. A euromilhas de distância

:. Dia de S. Nunca

:. A pedido de...

:. O fiel jardineiro

:. Pau que nasce torto...

:. There's no need to argue....

:.Já lá vai o tempo

:.tags

:. todas as tags

:.Outros vôos por onde me perco

:.Rapidinhas


:.De que andas à procura?