Sexta-feira, 28 de Maio de 2010

Último episódio

 

Não. Não me estou a referir ao último episódio do Lost, de que tanto se fala na blogosfera, apesar de por vezes ser esse o meu estado de espírito. Verdadeiramente desorientada, para ser mais precisa... e isto de assumir que me sinto desorientada é deveras caricato, mas sobre isso falaremos mais adiante.

 

Venho a este cantinho onde tantas vezes partilhei o que sinto e o que penso, para me despedir... Ou para oficializar essa despedida, já que há algum tempo que nada digo. Não pensem que deixei de cá vir. Nada disso! Venho cá com alguma frequência e até entro no editor de posts... mas nada sai! A escrita não flui com a naturalidade de outros post e, para ser sincera,  deixei sentir que sou a Danni. Este nick, que fez tanto sentido para mim e que passou a ser uma segunda pele (como se de um alter-ego poderoso se tratasse), pelo qual passei a ser conhecida como se fosse a minha verdadeira identidade (mesmo por quem conhecia o meu verdadeiro nome), passou a ser um desconhecido para mim. Deixou de fazer sentido continuar a utilizá-lo.

 

Criei este blog numa altura conturbada da minha vida, em que precisei de desabafar, numa tentativa de manter a sanidade mental e, quem sabe, voltar à minha verdadeira essência. Basta ver a minha evolução desde Janeiro de 2005 e ler com atenção nas entrelinhas, para facilmente se chegar a conclusão de que o objectivo principal deste cantinho foi conseguido! Depois disso, resolvi mudar o aspecto do tasco, reflectindo as grandes mudanças pelas quais já havia passado desde o início deste vôo... e até o título do blog foi ligeiramente alterado (para ser mais exacta, uma palavra foi suprimida). E foi precisamente quando apregoei aos quatro ventos da blogosfera que o vôo estava menos desorientado, que ele se desorientou de vez. Deveras caricato, não? Consigo ver a verdadeira Danni no antigo blog e uma amostra idiota e decrépita após a migraçao para a nova plataforma dos blogs do sapo. Tudo o que quis ser e fazer - a verdadeira Danni - ficou aqui... depois disso são só cenas sem nexo!

 

Neste momento da minha vida, estou a ressacar (ainda!) de muita coisa que aconteceu e para a qual nunca tive as atitudes esperadas de quem as deveria ter... nunca deu importância ao que eu dei, como fiquei a saber recentemente. Está explicado o porquê de só eu me ter ido abaixo e o porquê de, para mim, a aquela relação ter deixado de o ser aos poucos. Tem sido graças à minha princesa que me tenho mantido à superfície e sinto que preciso de ser mais para ela e para mim... e para isso preciso de me soltar das amarras que me trouxeram até aqui e que aqui me mantêm. Eu mereço e a minha princesa merece ainda mais! Algo tem de mudar e depressa! Nada que não fique decidido in my heart and soul no prazo máximo de 1 semana... e só chegando lá saberei o que fazer! Time is ticking out...

 

Tudo aquilo a que agora me refiro não é novidade nenhuma para vocês. Foi tudo aqui contado por meias palavras e linguagem codificada (ao menos nisso mantive-me coerente)... mas o facto de haver muitos leitores do blog que de facto me conhecem, impediu que pudesse escrever com a abertura de que precisava. Há certos detalhes que precisavam de ter sido exorcizados, chamando-os pelo nome e não por eufemismos.

 

Ao longo dos anos sei que fui cultivando alguns leitores assíduos. Uns porque aqui foram comentando e outros porque me disseram pessoalmente. Claro que quando escrevi, fi-lo por mim... mas confesso que com o vosso feedback, a experiência foi muito mais interessante e gratificante! Aqui partilhei e deixei tanta da minha revolta, dor e mágoa, mas também tantas das minhas alegrias... e hoje sinto que este espaço já não tem mais nada para me dar, além de uma folha em branco que não quero aqui escrever! Preciso recomeçar tudo! Voltar à estaca zero... pelo menos tentar!

 

Já tenho um novo cantinho na forja (a vontade de escrever não desapareceu, ao menos isso!)

 

Vemo-nos por aí ;)

 

Jinhos e obrigada a todos os que fizeram desta experiência algo bom :)

 

 

 

Hoy me siento: de partida (e de partida... )
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009

Dia de S. Nunca

Tenho andado às voltas neste blog e não me reconheço. A escrita está diferente, o feeling está demasiado deprimente e a vontade é quase nula. Não por falta de ter o que dizer, mas porque se me tento concentrar no que quero transmitir, é tal o turbilhão de confusão que opto por ficar quieta e “calada”. Já aqui disse inúmeras vezes que o principal motivo da criação deste cantinho foi o de desabafar muito do que me ia cá dentro, como se de uma terapia se tratasse… mas ultimamente esse objectivo tem sido completamente subvertido. Facilmente vejo a minha evolução e o meu voltar à superfície logo no primeiro ano… e também facilmente me apercebo do mal que tenho estado nos últimos meses. Nove, para ser mais precisa! Um passado asqueroso, que nem sequer me pertence, roubando-me nove meses de paz de espírito!

 

Definitivamente já não me reconheço!

 

Quero voltar a ser a Danni que foi para Coimbra para se encontrar consigo mesma. A Danni que cativou os que dela se aproximaram, bastando-lhe para isso ser ela mesma. A Danni que viveu excelentes momentos por onde quer que passou. A Danni que fez a festa em festa em qualquer sitio. A Danni que respirou a boémia coimbrã e as noites templárias e lhes retirou a essência. A Danni que se apaixonou e que amou como nunca antes havia feito.

 

Quero voltar a mim… e este impasse só atrasa o encontro comigo mesma. Muitos dos meus sonhos e ambições tiveram de passar para segundo plano no passado. Outras prioridades se impunham. De igual modo, muitos sonhos ficarão agora pelo caminho. Sempre pensei que a minha felicidade passava por alcançá-los, mas agora sinto que é o que está a impedir-me de seguir adiante. Ficam para dia de S. Nunca.

 

 

Fui procurar-me. Não sei quanto tempo demoro.

 

(no entretanto vou postando)

 

Hoy me siento: searching
tags:
Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009

O fiel jardineiro

 

 

 

 

 

Apesar do título deste post ser uma clara alusão a um grande filme, não estou aqui para vos falar nele. O que me traz hoje ao meu e vosso ciber-tasco são as relações amorosas… o que falha, para ser mais precisa. Pois é, meus amigos, isto de manter uma relação é uma carga de trabalhos e dores de cabeça!
 
No início tudo são rosas (no sentido literal e figurado), mas isso depressa termina. Nós – e quando digo “nós”, é um geral demasiado geral, porque a mim caramelo nenhum mandou esta boca… e se a pensou, depressa tratou de calar a boquinha de onde só sai asneira, piropo de engate “à la trolha” e frases feitas nas quais já não caio – adiante! Estava eu a dizer que nós somos acusadas de dar um sem-fim de fodas nos primeiros meses e de começar a “cortar-nos” à medida que o tempo passa. Será que os otários do sexo oposto nunca pensaram que isto é um sinal de algo? Ao contrário deles, nós não conseguimos dar a trancada da praxe se o ambiente não for propício ou se algo não estiver tão bem como devia. Quando falo em falta de feeling, não me refiro apenas ao sexo mas sim a toda a intimidade e tudo o que lhe está inerente.
 
Misturado com conversas que me deram asco ler (aqui é favor colocar os tags “fezes do msn” e “wtf”), estava o seguinte discurso metafísico – passo a citar – “para mim, um relacionamento é como um jardim… tem de ser cuidado todos os dias, senão morre”. Bonitas palavras, sim senhor! Será que as acções são a condizer? É precisamente aqui que a coisa descamba, porque até quem apregoou isto até à exaustão deixa morrer uma relação! Como? Muito simples. Basta começar a tomar as coisas como garantidas, quando nada nesta vida o é, para começar a baixar a guarda, deixando que as ervas daninhas comecem a instalar-se. Claro que o desleixo sentimental não é exclusivo de quem apregoa a arte da jardinagem, mas convenhamos que nestes casos se nos afigura irónico o desleixo. No fundo, tudo isto não passa de um grave problema de memória (Alzheimer emocional?), com consequências mais ou menos previsíveis.
 
Esquecemos as necessidades do outro…
Esquecemos que falar nem sempre é sinónimo de comunicar…
Esquecemos que a paciência é uma virtude que também deve existir em nós…
Esquecemos o companheirismo e a cumplicidade…
Esquecemos que o egoísmo não é compatível com o amor…
Esquecemos que devemos dar uma carícia sem motivo algum e sem esperar algo em troca…
Esquecemos até que ponto precisamos desesperadamente daquele abraço apertado…
Esquecemos que valorizar o outro e fazê-lo sentir-se amado e desejado é fundamental…
 
 
E esquecendo os pequenos detalhes e tudo o que um dia nos juntou, abrimos portas à indiferença… e ao final.
 
 
 
Enquanto escrevia este post, estava na dúvida se haveria música que conseguisse transmitir o que eu tentei nestas breves palavras. Num insight lembrei-me desta, que vai mais além das relações amorosas e abarca as relações com todo os que nos são queridos… e a moral da história mantém-se a mesma: devemos dar o devido valor às pessoas que o merecem, antes que seja tarde demais e as palavras fiquem suspensas no vazio.
 
 

 

Hoy me siento: jardim a precisar de cuidados
música: Tal vez (Ricky Martin)
publicado por Danni às 16:51
link do post | Vá, diz qualquer coisinha! | favorito
Domingo, 26 de Julho de 2009

Pau que nasce torto...

Eu sei que o título dava para umas quantas piadinhas, mas o meu humor hoje não está para isso!

 

O que quero abordar hoje é exactamente o significado deste ditado popular.  De facto, "pau que nasce torto, tarde ou nuca se endireita". Por muito que jure a pés juntos o contrário!

 

Eu sabia que mais tarde ou mais cedo havias de voltar aos teu velhos hábitos. Intuição? Não. Apenas uma vozinha que desde o início sussurra ao ouvido cada vez que a luz vermelha se acende. 

 

Não sei... não entendo... há aqui um bloqueio qualquer que não me está a deixar raciocinar como deve ser!

 

Sim, deve ser isso... um bloqueio.

 

(Isto hoje não era para ter banda sonora, uma vez que estou a escrever no calor do momento e com o cérebro mais cansado que eu sei lá... mas não é que acabei de ter uma epifania? Afinal temos música... e uma letra em que vale a pena prestar atenção.) 

 

 

 

 

 

[para aqueles que gostam de mim: isto passa, tá? não se preocupem...]

 

 

 

 

Hoy me siento: bloqueada
música: Linger (The Cranberries)
tags:
Terça-feira, 30 de Junho de 2009

Até quando?

          Foto: Nuno Baptista

              In Olhares.com

 

Continuo sem saber o que fazer a este ponto final que teima em me fazer pensar em tudo o que não quero...

 

Continuo a olhar para trás e pensar que são demasiadas incertezas... talvez mais do que aquelas que consigo suportar...

 

Continuo a sentir-me nauseada com o que a minha imaginação me faz ver...

 

Até quando?

 

Talvez fosse mais fácil congelar o tempo e não pensar. Acordar quando toda esta fase estranha tivesse passado... Sim, o meu mal sempre foi pensar demasiado nas coisas e ter uma imaginação demasiado gráfica. Em tempos, alguém com conhecimeto de causa disse-me que eu era uma pessoa bastante emotiva e com ressonância bastante secundária... e não é que sou mesmo! Os acontecimentos marcantes da minha vida não me alegram ou entristecem apenas no momento em que ocorrem, mas ficam em mim de tal forma que, passados anos, continuam a alegrar-me ou, pior, entristecer-me e frustrar-me como se tivessem acontecido naquele momento. Sou mesmo assim e ainda não descobri a melhor maneira para contornar isto.

 

Gostava de ter um botão de reset, para esquecer tudo o que me fere a alma e me impede de ser feliz.... mas não tenho.

 

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

 

No final tudo se tornou tão difícil.

 

Há já muito que não estava a ser eu mesma e com isso acabei por magoar quem não o merecia. Disse muita coisa que não queria nem sentia, apenas com o intuito de magoar e também ouvi muita coisa que me magoou, talvez não pelo conteúdo mas sim pela forma como foi dito... e se há algo que não volta atrás, é a palavra depois de proferida e o tempo depois e perdido.

 

Desculpa...

Eu sei... as desculpas não se pedem, evitam-se... vale para ambos.

 

Há momentos em que sentimos ser tarde para muito do queriamos ter sido. Hoje, nada mais temos a dar um ao outro, senão este clima de incerteza e de acusações de parte a parte e isso não é bom para nenhum de nós! Não é assim que vamos a algum lado...  mas também já muito foi dito e feito por ambos, que nós impede de avançar. É triste. 

 

Sei que, afastando-me, este mau ambiente não se voltará a repetir e esse é um bem maior que me fará afastar-me sem mais questões ou acusações. Abnegação sempre foi o meu forte e, graças a essa estúpida abnegação, consigo forçar-me a não olhar para trás, nem pensar no que deixei... no que deixei de ter... no que deixei de desfrutar... no que deixei que me escapásse por entre os dedos...

 

Obviamente isto não vai impedir-me de pensar, mas vai impedir-me de sofrer... e em última análise, também a ti.

 

Uma vez mais, desculpa... mesmo... por tudo.

A ti, já te desculpei...

 

Até sempre.

Danni

 

 

 "Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades."
(Luiz Vaz de Camões)
 

 

Hoy me siento: abalada e triste
música: love hurts (Nazareth)
Domingo, 7 de Junho de 2009

Para que conste

Fartei-me! A sério. A paciência tem limites e eu nunca tive vocação para santa. 

 

Sabes, sou um bocadito pitosga (sou, confesso!), mas para compensar tenho uma audiçao do caraças... e tenho de ouvir cada merda, que nem te digo! Desde meias verdades a mentiras, passando por todas as omissões de que te conseguires lembrar... e vir a saber mais tarde que andei a levar precisamente com as mesmíssimas frases feitas que... olha... que nada! Este assunto encerra aqui, porque hoje mesmo a minha vida toma um novo rumo!!  

 

Como se diz no Alentejo... Tem avondo!!! 

 

Nenhuma das minhas resoluções para este ano foi levada a sério, mas sei que estou sempre a tempo de tomar novas resoluções e fazer delas o meu azimute... Quero voltar a sentir-me como quando fui para Coimbra, quando decidi tomar novo rumo e voltar a ser dona da minha vida. Quero que o meu nariz volte a ser o meu ponto final!!

 

Basta de tudo o que tem sido! Começaste cedo, mas também te apanhei cedo... e se deixei arrastar até hoje foi porque quis, não porque o merecesses! Shame o you, if you fool me once... shame on me, if you fool me twice! Lá está, shame on me!

 

Eu nunca fui vingativa... mas cá se fazem, cá se pagam, tá? Depois espanta-te se te fizer passar pelo mesmo... começamos com as mentiras e terminamos como tu sabes...

 

(não se aceitam reclamações)

 

 

 

Hoy me siento: needing an extreme makeover
música: Empty (the Cranberries)
Segunda-feira, 7 de Março de 2005

Só para dizer... desculpa

Pergunto-me tantas vezes como foi que tudo mudou? Saturação, calculo. Foram demasiados anos... criei demasiadas expectativas... Não há um único motivo grave que justifique o fim da nossa relação... apenas um somatório de pequenos pormenores... pequenos nadas! A culpa não é tua! Se culpas houver a atribuir, então que seja a ambos, por termos baixado os braços quando não devíamos.

 

Desculpa se te fiz sofrer, se não soube ser a companheira que merecias. Se perdi a paciência tantas vezes sem justificação... desculpa!

 

Amei-te loucamente... e sim, fui feliz contigo! Muito feliz.... ao contrário do que pensas. Sei que também foste muito feliz comigo. Sei, porque te conheço bem.

 

Não sei o que o futuro nos reserva, nem se nos voltará a juntar... sinceramente, isso agora não é importante. Temos de viver um dia de cada vez, não é? Sei apenas que serás sempre aquela pessoa especial com quem tive o privilégio de partilhar uma relação e tudo o que vivi contigo ficará para sempre guardado na minha memória com muito carinho.

 

Se mais alguém ocupar um lugar especial na tua vida, desejo do fundo do meu coração que te saiba fazer feliz.... porque TU MERECES! Já sei que deves estar a pensar o que tantas vezes me disseste "Não sejas tonta! Não vou querer mais ninguém na minha vida!"... Não te iludas! A seu tempo, entrará alguém no teu coração que te merecerá todo o amor que tens para dar... e eu quero que sejas muito feliz! Uma pessoa como tu merece tudo de bom que a vida tem para oferecer!

 

Mereces todo o meu respeito. Pela tua atitude imparcial. Por não me julgares, nem te deixares influenciar pelos julgamentos errados que foram feitos à minha volta. Por acreditares em mim. Obrigada! Não me desiludiste em nada. Mesmo depois do fim, soubeste agir de forma correcta... e ainda hoje o fazes!

 

Espero que tenhas em mim a Amiga em quem podes confiar e a quem podes recorrer SEMPRE! Sabes que estarei sempre para ti e não hesitarei em ajudar-te!

 

Quero contar sempre contigo!

 

Um grande beijinho

*Danni*

 

Quinta-feira, 3 de Março de 2005

É tempo de deixar de olhar para trás...

noite2.jpg 

 

Deixas em mim tanto de ti

(Pedro Abrunhosa / Pedro Abrunhosa)

 

A noite não tem braços

Que te impeçam de partir,

Nas sombras do meu quarto

Há mil sonhos por cumprir.

 

Não sei quanto tempo fomos,

Nem sei se te trago em mim,

Sei do vento onde te invento, assim.

Não sei se é luz da manhã,

Nem sei o que resta em nós,

Sei das ruas que corremos sós.

 

Porque tu,

Deixas em mim

Tanto de ti,

Matam-me os dias,

As mãos vazias de ti.

 

A estrada ainda é longa,

Cem quilómetros de chão,

Quando a espera não tem fim,

Há distâncias sem perdão.

 

Não sei quanto tempo fomos,

Nem sei se te trago em mim,

Sei do vento onde te invento, assim.

Não sei se é luz da manhã,

Nem sei o que resta em nós,

Sei das ruas que corremos sós.

 

Porque tu,

Deixas em mim

Tanto de ti,

Matam-me os dias,

As mãos vazias de ti.

 

Navegas escondida,

Perdes nas mãos o meu corpo,

Beijas-me um sopro de vida,

Como um barco abraça o porto.

 

Porque tu,

Deixas em mim

Tanto de ti,

Matam-me os dias,

As mãos vazias de ti.

 

 

Porque tudo tem um momento ideal para acontecer. Há palavras e momentos que ficam guardados para sempre em nós... mas o tempo nao pára e a vida tem mesmo de continuar.

*Danni*

 

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2005

Para alguém com incertezas...

A natureza humana prega-nos cada rasteira...

 

Mesmo assim, nunca deixes de escutar o que te diz o teu coração. Citando Séneca, "O amor não se define; sente-se". Se sentes que deves enveredar por um caminho que a razão te diz não ser o mais correcto, porquê não arriscar mesmo assim? Pode ser que seja este o momento de recompor tudo o que no passado esteve fora do teu controlo. Pode ser que seja precisamente agora que o caminho da felicidade se abre para ti e não no passado em que tudo falhou. Não te prendas a um medo de magoar as pessoas quando é a tua felicidade e o teu futuro que estão em jogo.

 

Esse alguém que receias magoar compreende perfeitamente que o teu passado foi e continua a ser demasiado importante e apoia totalmente a tua decisão de voltares atrás. Por muito que tentes, não conseguirás deixar de magoar quem tantas esperanças depositou em ti... mas a vida é mesmo assim. Até a mágoa se suaviza com o tempo. Jamais poderias continuar com tantas incertezas. Não seria justo, tal como não tem sido justo até hoje... sei bem do que estou a falar!

 

Não te quero ver sofrer por esta dúvida que te consome. Acima de tudo, a tua principal opção deves ser tu próprio.

 

Quem entrou neste jogo há menos tempo sai enquanto ainda lhe resta alguma sanidade mental... depois de atravessar o caos, voltará a ver o brilho do sol e encontrar-se-á novamente.

 

Não te preocupes, tudo voltará ao seu rumo natural. Dá tempo ao tempo...

 

Força!

 

"Procura a tua felicidade e, desta vez, não permitas que se te escape por entre os dedos..." Gi

 

*Danni*

 

"O coração tem razões que a própria razão desconhece" Blaise Pascal

"Há vários motivos para não amar uma pessoa, e um só para amá-la; este prevalece" Carlos Drummond de Andrade

Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2005

Momentos...

É noite.

Ao longe o mar.

Sinto o ruído das ondas a romper. A suave brisa acaricia o meu corpo.

Envolves-me num abraço apertado. Fecho os olhos.

O tempo fica suspenso para sempre nesse momento mágico.

Sinto o teu corpo, o teu cheiro... Sinto-te.

A tua presença prende-me a este lugar.

Não sei quem és.

 

Acordo. Tudo não passou de um sonho.

Os meus olhos enchem-se de lágrimas, como um rio que quer transbordar.

E choro!

Choro a perda do que nunca foi meu.

Choro por tudo o que não quero sentir.

Choro a mágoa.

Choro a solidão.

Choro em vão.

E grito!

Nenhum som sai da minha garganta.

Ninguém me ouve.

Ninguém sabe quem sou.

 

Sou apenas a recordação sem nexo de um momento sublime.

Que insignificante me sinto agora...

 

Talvez num momento distante te volte a encontrar. Talvez um dia regresse a esse lugar mágico e me encontre novamente...

 

Sei que estarei lá...

...Onde o tempo parou.

 

*Danni*

publicado por Danni às 19:34
link do post | Vá, diz qualquer coisinha! | favorito

:.Queres falar com a gaja?

danni_mrls@hotmail.com

:.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

:.Afinal quem é a gaja?

:.Últimos devaneios

:. Último episódio

:. Dia de S. Nunca

:. O fiel jardineiro

:. Pau que nasce torto...

:. Até quando?

:. Para que conste

:. Só para dizer... desculpa

:. É tempo de deixar de olha...

:. Para alguém com incerteza...

:. Momentos...

:.Já lá vai o tempo

:.tags

:. todas as tags

:.Outros vôos por onde me perco

:.Rapidinhas


:.De que andas à procura?